' MANEJO E CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E DA ÁGUA - NILDO DA SILVA DIAS, ANTONIO ROBERTO BRÍGIDO E ANA CLAUDIA MEDEIROS SOUZA (ORG)

Livraria da Física

TeleFONES
Loja virtual
Loja IFUSP : (11) 3815 8688
Editora
ESCRITÓRIO (11) 3459 4323 OU 3459 4324 ou 3459 4326
Seu carrinho
  • Busca avançada

Física

Lançamento
MANEJO E CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E DA ÁGUA
NILDO DA SILVA DIAS, ANTONIO ROBERTO BRÍGIDO E ANA CLAUDIA MEDEIROS SOUZA (ORG)
Quantidade limitada no estoque. Envio imediato.
Editora editora livraria da fisica
Área CIÊNCIAS NATURAIS
Idioma Português
Número de páginas 292
Edição 1ª EDIÇÃO 2013
ISBN 9788578612023
EAN 9788578612023
ideia de organizar um livro sobre 'Manejo e conservação de solo e água' surgiu durante a realização de um curso de formação de Agentes de Assistência Técnica e Extensão Rural (ATER) sobre manejo ecológico e conservação dos solos e da água, coordenado por um grupo de professores da Universidade Federal Rural do Semi-Árido
(UFERSA) com o apoio financeiro do CNPQ (Edital:MCT/CNPq/MDA/SAF/Dater N033/2009).
A principal meta do curso foi a qualificação de profissionais das Ciências Agrárias, de nível médio e/ou superior, vinculados a entidades de Assistência Técnica e Extensão Rural governamental ou não governamental, que atuam com agricultores familiares e que estão credenciadas pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário - MDA. Nesta
perspectiva foram realizados três curso de formação, em que se capacitou cerca de 90 profissionais de ATER que atuam no Estado do Rio Grande do Norte.
A proposta de realização do curso, bem como a construção do livro, buscou superar a visão homogeneizadora e depreciativa do campo, implicando na formação de um conhecimento voltado para um projeto de desenvolvimento para os povos do campo baseado em métodos educativos voltados para a sua inclusão e emancipação.
Os dozes capítulos do livro são as contribuições científicas e pedagógicas dos instrutores dos módulos de aprendizagem do referido curso e, inclui, também, relatos e experiências dos alunos profissionais de ATER, registros fotográficos de aulas de campo e saberes populares de agricultores (as) familiares. Os capítulos baseiam-se
em princípios sistemáticos de sustentabilidade agrícola em bases ecológicas, visando a sua formação técnica, humanista, política e social, comprometida com a transformação da realidade dos povos do campo.

Sumário
I Pedologia: Reconhecendo o ambiente 19
1 Geologia e mineralogia 21
1.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
1.2 Processos geológicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
1.2.1 Processos geológicos internos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
1.2.1.1 Vulcanismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
1.2.1.2 Atividades vulcânicas no Brasil . . . . . . . . . . . . . . 24
1.2.1.3 Plutonismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
1.2.1.4 Formas das intrusões ou plútons . . . . . . . . . . . . . 25
1.2.1.5 Estrutura interna dos plútons . . . . . . . . . . . . . . . 26
1.2.1.6 Terremotos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
1.2.2 Processos geológicos externos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
1.2.2.1 Intemperismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
1.2.2.2 Temperatura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
1.2.2.3 Relevo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
1.2.2.4 Organismos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
1.2.2.5 Tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
1.3 Ciclo das Rochas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
1.4 Minerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
1.4.1 Propriedades dos minerais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
1.4.1.1 Físicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
1.4.1.2 Químicas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
11
2 Pedologia: reconhecendo o ambiente 39
2.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
2.2 Evolução dos solos da área transeccionada na região oeste do rio grande
do norte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
2.3 Relação entre solos e meio ambiente da região oeste do rio grande do
norte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
2.3.1 Ambiente da serra do mel . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
2.3.2 Ambiente do rio do carmo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
2.3.3 Ambiente da ufersa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
2.3.4 Ambiente da chapada calcária do apodi . . . . . . . . . . . . . . 51
2.3.5 Ambiente de rochas cristalinas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
II Fertilidade e avaliação da qualidade do solo 59
3 Noções básicas sobre pedologia 61
3.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
3.1.1 Fatores de formação dos solos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
3.1.1.1 Papel do clima na formação do solo . . . . . . . . . . . 63
3.1.2 O papel do material de origem na formação do solo . . . . . . . . 68
3.1.2.1 Meteorização física das rochas . . . . . . . . . . . . . . 71
3.1.2.2 Intemperismo ou meteorização química dos minerais inorgânicos
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 72
3.1.3 O papel dos organismos vivos na formação do solo . . . . . . . . 72
3.1.4 Mineralização da matéria orgânica . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
3.1.5 O papel do relevo na formação do solo . . . . . . . . . . . . . . . 75
3.1.6 Combinação relevo e movimentação da água no perfil do solo . . 75
3.1.7 Papel do tempo na formação do solo . . . . . . . . . . . . . . . . 77
3.1.8 O perfil dos solos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78
3.1.9 Pedoclima . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 83
12
4 Qualidade do solo em agroecossistemas 91
4.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 91
4.2 Qualidade do solo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
4.3 Avaliação da qualidade do solo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
4.3.1 Estratégias de avaliação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95
4.3.2 Levantamento preliminar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
4.3.3 Caracterização da área a ser avaliada . . . . . . . . . . . . . . . 97
4.3.4 Amostragem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
4.3.4.1 Época de amostragem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 97
4.3.4.2 Local de amostragem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
4.3.4.3 Quantidade de amostras . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
4.3.5 Identificação do solo de interesse . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98
4.3.6 Indicadores da qualidade do solo . . . . . . . . . . . . . . . . . . 100
4.3.6.1 Tipos de indicadores de qualidade do solo . . . . . . . . 101
4.4 Considerações finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103
5 Metodologias participativas para obtenção de indicadores de qualidade do
solo na atividade agropecuária 107
5.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107
5.2 Indicadores de qualidade do solo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
5.2.1 Degradação do solo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 108
5.2.1.1 Degradação física . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 109
5.2.1.2 Degradação química . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 112
5.2.1.3 Degradação biológica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 115
5.3 Classificação dos indicadores de qualidade do solo . . . . . . . . . . . . 115
5.3.1 Indicadores físicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 116
5.3.2 Indicadores químicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 118
5.3.3 Indicadores biológicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
5.4 Metodologias participativas para avaliação da qualidade do solo . . . . . 120
5.4.1 A importância da metodologia participativa . . . . . . . . . . . . . 120
13
5.4.2 A metodologia participativa para avaliação da qualidade do solo . 122
5.4.2.1 Desenvolvimento da metodologia . . . . . . . . . . . . . 122
5.4.2.2 A aplicação prática da metodologia . . . . . . . . . . . . 125
5.5 Considerações finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
III Manejo dos solos com base nas especificidades dos agroecossistemas
131
6 Práticas de conservação de solo e água: renques e barramentos assoreados
133
6.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
6.2 Erosão e Desertificação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 134
6.3 Ações de controle e conservação dos recursos naturais . . . . . . . . . . 136
6.3.1 Barramentos assoreadores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 138
6.3.1.1 Escolha do local . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
6.3.1.2 Marcação e construção . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
6.3.1.3 Cálculo de volume dos barramentos e planilhas eletrônicas
auxiliares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
6.3.2 Renques assoreadores, construção . . . . . . . . . . . . . . . . . 145
6.4 Considerações finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 149
7 Sistemas agroflorestais e silvopastoris no bioma Caatinga 155
7.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 155
7.2 Entendendo o sistema de cultivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157
7.2.1 Conceituação e classificação dos sistemas de cultivo . . . . . . . 158
7.2.1.1 Classificação dos sistemas agroflorestais . . . . . . . . 158
7.2.1.2 Sistemas agroflorestais sequenciais . . . . . . . . . . . 161
7.2.1.3 Sistemas agroflorestais simultâneos . . . . . . . . . . . 161
7.3 O papel ecológico das árvores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
7.3.1 Implantação do sistema agroflorestal . . . . . . . . . . . . . . . . 167
7.3.2 Componente animal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
7.3.2.1 Manejo dos animais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173
7.4 Considerações finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 174
14
8 Adubação verde 177
8.1 Intodução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 177
8.2 Benefícios da adubação verde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
8.3 Implantação dos coquetéis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182
8.4 Considerações finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 183
IV Manejo e conservação da água 187
9 Tecnologias alternativas de convivência com o semiárido: captação, armazenamento
e manejo de água de chuva 189
9.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190
9.2 Histórico do uso das tecnologias de captação de água de chuva. . . . . 190
9.2.1 O Semiárido Tropical brasileiro: Aspectos climáticos, físicos e populacionais.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191
9.3 Convivência com o Semiárido. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193
9.3.1 Histórico, Viabilidade e Perspectivas Atuais. . . . . . . . . . . . . 194
9.3.2 Histórico do Uso das Tecnologias de convivência no Brasil. . . . 195
9.3.3 Viabilidade das Tecnologias de Convivência. . . . . . . . . . . . 196
9.3.4 Perspectivas do Uso das Tecnologias de Convivência na Atualidade:
A Experiência da Sociedade Civil e o Financiamento Público.
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199
9.4 Tecnologias de Convivência com o Semiárido: Sistemas de Captação de
Água de Chuva. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
9.4.1 Sistemas com área de captação artificial direta e armazenamento 204
9.4.1.1 Cisternas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
9.4.2 Sistemas de armazenamento por escoamento superficial . . . . . 206
9.4.2.1 Caldeirão ou tanque de Pedra . . . . . . . . . . . . . . . 206
9.4.2.2 Barreiro Trincheira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 206
9.4.2.3 Barraginhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
9.4.3 Sistema de armazenamento por escoamento sub-superficial e
subterrâneo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
15
9.4.3.1 Poços amazonas ou cacimbões . . . . . . . . . . . . . . 208
9.4.4 Barragens subterrâneas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
9.5 Considerações e recomendações finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 212
10 Critérios de avaliação da qualidade de água 215
10.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215
10.2 Indicadores da qualidade da água quanto à salinidade . . . . . . . . . . 217
10.3 Classificação da água para irrigação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 218
10.3.1 Classificação da água para irrigação proposta pelo laboratório de
salinidade dos Estados Unidos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 219
10.3.2 Classificação da água para irrigação proposta pela FAO . . . . . 221
10.3.2.1 Salinidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
10.3.2.2 Infiltração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 222
10.3.2.3 Toxicidade de íons específicos . . . . . . . . . . . . . . 222
10.3.2.4 Outros problemas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 224
10.4 Procedimentos de coleta para análise físico-química da água . . . . . . . 224
10.5 Interpretação dos resultados da análise físico-química para fins de irrigação
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 225
10.5.1 Coerência dos resultados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 226
10.5.2 Interpretação quanto aos riscos de salinidade, infiltração e toxicidade
de íons específicos e outros . . . . . . . . . . . . . . . . . . 227
10.6 Experiências com uso de água salobra na agricultura do semiárido . . . 227
10.6.1 Utilização de culturas tolerantes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228
10.6.2 Misturas de águas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 228
10.6.3 Frequência de irrigação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229
10.6.4 Cultivos hidropônicos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229
11 O saneamento rural no semiárido: princípios e técnicas de tratamento de
água e esgoto 235
11.1 Introdução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 235
11.2 Princípios fundamentais de saneamento básico . . . . . . . . . . . . . . 237
16
11.3 O problema pela falta de saneamento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 238
11.4 Técnicas de tratamento de água para áreas rurais do semiárido . . . . . 241
11.4.1 Coagulação/floculação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 241
11.4.1.1 Importância da Moringa no semiárido . . . . . . . . . . . 242
11.4.2 Filtração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 243
11.4.3 Desinfecção de água com radiação ultravioleta . . . . . . . . . . 245
11.4.4 Tratamento caseiro da água para potabilidade em áreas rurais . . 246
11.4.4.1 Fervura . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 246
11.4.4.2 Filtração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 246
11.4.4.3 Desinfecção da água de poços rasos . . . . . . . . . . . 247
11.5 Técnicas de tratamento de esgotos domésticos para áreas rurais do semiárido
. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 247
11.5.1 Sistemas para tratamento de esgotos domésticos em residências
rurais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 247
11.5.2 Dimensionamento de sistemas para tratamento de esgoto doméstico
em residências rurais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 250
11.6 Considerações finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 254
12 Tratamento de resíduos sólidos e reuso de água no semiárido 259
12.1 Reciclagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 259
12.2 Compostagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 260
12.2.1 Dimensionamento de pátio de compostagem para áreas rurais . . 263
12.3 Técnicas e recomendações de reuso de água no semiárido . . . . . . . 265
12.3.1 Escolha do conjunto motobomba . . . . . . . . . . . . . . . . . . 265
12.3.2 Determinação da perda de carga em tubulações conduzindo águas
residuárias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 267
12.3.3 Sistemas recomendados para aplicação de águas residuárias . . 268
12.3.3.1 Sistema de aplicação superficial . . . . . . . . . . . . . 268
12.3.3.2 Sistema de aplicação por aspersão . . . . . . . . . . . . 268
12.3.3.3 Sistema de aplicação fixo em malha . . . . . . . . . . . 269
12.3.3.4 Pivô central . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269
17
12.3.3.5 Autopropelido . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 269
12.3.3.6 Sistema de aplicação localizada . . . . . . . . . . . . . . 270
12.3.4 Critérios para fertirrigação com águas residuárias
tratadas . . . .271
12.3.4.1 Nitrogênio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 272
12.3.5 Tipo de solo recomendado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275
12.3.6 Culturas recomendadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 275
12.3.7 Aspectos sanitários . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 276
12.4 Considerações finais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 277
13 Os autores............................................................................. 283
.
Preço da tabela: R$ 80,00
Nosso preço: R$ 64,00
ATENÇÃO: Os pedidos deste catálogo estão sujeitos a alteração sem prévia comunicação. Os pedidos ficam condicionados a disponibilidade do nosso estoque e de nossos fornecedores (editoras e distribuidores). Esclarecemos aos consumidores que, por não sermos vendedores no atacado, pedidos que possuam mais de um item do mesmo produto, poderão sofrer alteração no prazo de entrega se a quantidade de produtos solicitados for maior do que a quantidade disponível em nosso estoque, para não ter dúvidas sobre quantidades, consulte antes por e-mail (vendas@livrariadafisica.com.br)